Da sala de aula para o EduTec: conheça Otavio Pinheiro, o CEO do Redação Online

Com apenas dois anos de funcionamento, o Redação Online se tornou uma empresa nacional, tendo 24 mil alunos na plataforma.

O professor, historiador e cientista político, Otavio Pinheiro, de 40 anos, é Ceo e fundador do Redação Online, que com apenas dois anos de atividade no mercado, já conquistou importantes prêmios, como ser uma das 12 ganhadoras como startups aceleradas, entre 1.733 empresas inscritas, na InovAtiva Brasil. Em seguida foram selecionados pela Estação Hack do Facebook, se tornando a primeira startup de educação no mundo a ser acelerada diretamente pelo Facebook e Artemisia.

A plataforma Redação Online é voltada para a correção online de redações para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), Vestibulares, Concursos e para o Ensino Médio (B2B), no qual, estudantes de todo Brasil podem adquirir um plano de correções, escrever textos e ou anexar uma imagem do texto para as correções.

Dentro do pacote assinado pelo estudante, a redação é corrigida por especialistas e devolvida ao aluno em até três dias úteis, fazendo com que o estudo seja muito mais dinâmico.

Confira a entrevista com Otavio e entenda sobre a trajetória dele durante a criação da plataforma, se tornando um empreendedor nacional em Educação.

Como foi a sua trajetória até se tornar um empreendedor na área da educação?

Me formei em História, fiz mestrado em Sociologia e Ciência Política pela UFSC. Já passei pelo setor público como coordenador na mesma universidade. No setor privado, eu ministrei aulas para ensino fundamental, médio e superior. Já no terceiro setor, atuei na fundação do Instituto Crack Nem Pensar.

Em 2008 ganhei a medalha João Davi de Ferreira Lima, fundador da UFSC, por serviços prestados a educação de Santa Catarina.

Durante este período, até criar o Redação Online, ganhei o Prêmio RBS (agora grupo NSC) de Educação e Consultor da Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho.

De 2003 até 2016, fui coordenador do curso Pró-Universidade, e desde 2016 sou  CEO do Redação Online, vice-diretor de Edtech da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), Blogueiro de educação do Grupo NSC, parceiro oficial do Instituto Ayrton Senna, além de Talento da Educação da Fundação Lemann.

Você sempre se imaginou um empreendedor em educação e tecnologia?

Sempre fui professor, sempre trabalhei dentro da sala de aula, tendo passado por todos os níveis educacionais, desde o ensino básico até o universitário. Com o tempo eu percebi que as maiores dores que os alunos possuem estão exatamente na leitura, escrita e interpretação. Por isso, no final de 2014 e início de 2015, eu dei uma recalculada na carreira e fui para a área de educação e tecnologia. Nossa equipe viu que poderíamos realmente atender um número bem maior de alunos através de uma plataforma que pudesse corrigir as redações dos estudantes, dar indicações de melhorias, fazendo o aluno treinar, repetir, reescrever até atingir uma nota bacana. Começamos a crescer no final de 2016 e o Redação Online está completando no final de 2018 dois anos de funcionamento, tendo se tornado uma plataforma nacional em um curto espaço de tempo.

Qual é a abrangência do Redação Online? Existem dados de quantos usuários já utilizaram o aplicativo?

Somos uma empresa nacional, que atende não só Santa Catarina, que é nosso estado de criação do projeto, mas como também tendo estudantes engajados na plataforma por diferentes estados do Brasil. De janeiro de 2018, até julho, atingimos 24 mil alunos pagantes.

Qual é o desempenho dos alunos que usam a plataforma?

De cada 10 alunos que usaram o Redação Online, 8 aumentaram suas notas no ENEM de 400 pontos para 1000 possíveis. Atualmente o curso de maior aprovação na nossa plataforma é Medicina.

Existe algum projeto de atualização da plataforma?

Estamos implantando nosso sistema de Machine Learning, que é analisar os acertos e erros dos estudantes, aprendendo com esses erros para conseguir dar um feedback mais automatizado, sempre com a instrução do professor, com respostas mais rápidas. Outra meta para o futuro é o Blockchain, que é o uso de validação coletiva de redações, ou seja, é onde o professor faz a primeira correção, depois outros revisores vão dando validação a esse texto, até que no final dessa cadeia num processo de 10 minutos, um oráculo, que é um grupo dos melhores revisores dessa cadeia acabam dando a assinatura final como uma redação que foi muito bem corrigida.  A nossa equipe de desenvolvimento está hoje também focando nestes dois aspectos, a nossa expectativa é de que até o final do ano isso já esteja implantado.

Quais são os planos futuros para o Redação Online?

Queremos fazer uma expansão para o Ensino Superior e pretendemos fazer com que a nossa plataforma seja internacional, atendendo também estudantes de outros países da América Latina.

Sem comentários

Postar um comentário