Educação Maker: 5 dicas de como inovar na Educação com o método de aprender fazendo

Por que devemos inovar na educação? Aprender fazendo é uma forma? A ideia de que a prática leve à perfeição é utilizada neste método, que promete ser transformador.

O que é Educação Maker? Costura? Robótica? Marcenaria? Programação? Pintura? Eletrônica? Sim, tudo isso entra neste método, mas vai depender exclusivamente de como mediar e colocar em prática todas essas atividades. Uma das melhores formas de reter o aprendizado é quando a pessoa faz, põe a mão na massa. Além disso, apenas fazer não é o suficiente, também existe o processo de ensinar.

Na Comunidade Maker, os alunos que criam seus projetos, ensinam aos outros como fizeram, um passo a passo, isso ajuda ainda mais na retenção do conhecimento. O processo de ensinar faz com quem o ciclo de retenção da aprendizagem seja ainda melhor.

A grande questão é inovar, é sair do ensino tradicional, sala de aula, hierarquia entre professores e alunos, quadro e cadeiras.

Mas por que e como inovar na Educação?

Estamos ouvindo falar muito sobre Educação Maker, que em inglês, significa “fazer”. Este movimento, que acontece em escolas do mundo todo, propõe o método “faça você mesmo”, que basicamente é colocar a mão na massa e aprender fazendo, transformando a educação em algo dinâmico e eficaz.

Sabendo disso, elencamos algumas fórmulas para inovar e trazer essa cultura para dentro das nossas escolas.

 

1- POR QUE INOVAR NA EDUCAÇÃO E COMO FAZER?

Inovação é a palavra da vez. Mas sempre que se é discutido este tema, muitas são as soluções propostas para inovar com qualidade. Um dos métodos que vem sendo exaustivamente discutido é a cultura Maker – uma forma de aprendizagem que resgata o clima envolvente das feiras de ciências: trabalhos em grupo, valorização da criatividade, apresentação de ideias e, principalmente, obter o aprendizado a partir de experiências.

Este movimento não depende só de tecnologia, ele precisa de pessoas engajadas em solucionar com criatividade os gargalos da Educação brasileira. Felizmente, a cada dia mais os educadores estão se abrindo para novas experiências e guiando crianças e jovens se encontrarem na escola, usando seus talentos.

 

Confira também:

EDUCAÇÃO MAKER: APRENDER COM MÃO NA MASSA É MELHOR

10 PASSOS PARA INOVAR NO ENSINO E NO APRENDIZADO

EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: INOVAÇÃO A SERVIÇO DO EMPODERAMENTO E EMPREENDEDORISMO

 

2- CRIANDO UM ESPAÇO MAKER NA ESCOLA

Para a cultura Maker, implementar um local de criação é importante, mas apenas um espaço repleto de tecnologias ou ferramentas que é oferecido para estas aprendizagens, não é o suficiente. A proposta é trazer um universo de conhecimentos a partir da prática, ou seja, ter um espaço para isto seria interessante, mas o principal foco é instigar os estudantes através de fazeres práticos e experimentações.

É possível começar o laboratório até mesmo com objetos simples e reciclados. Tudo depende das condições de cada instituição, porém tendo sempre a ideia de que o dever é exclusivamente em aguçar a criatividade dos alunos, trazendo seus talentos à tona.

“Uma chave para o sucesso na implementação de um projeto inovador é criar um ambiente que permita a participação dos atores envolvidos, para que conheçam e que contribuam, dando-lhes a sensação de pertencimento e autoria. Somos todos criadores e quando o fazemos, geralmente, nos sentimos felizes e realizados. Desta forma, a motivação intrínseca desperta o interesse para a realização de projetos, muitas vezes, tidos como impossíveis”, de acordo com o artigo do Mundo Marker.

3- CONEXÃO ENTRE MAKERS: ESTREITANDO RELAÇÕES

Promover encontros e construir pontes entre os educadores Maker e comunidade escolar, é um grande incentivo de como fazer a engrenagem rodar. O que não precisa necessariamente ser uma integração presencial, já que dentro desta modalidade, o uso das tecnologias é sempre a favor, então também pode ser via videoconferência.

O objetivo desta troca de projetos e informações entre diferentes escolas, profissionais e alunos, é para que outras criações sejam conhecidas e que os alunos e mostrem os seus projetos, transmitindo o que aprenderam no desenvolvimento do projeto e se ele pode resolver algum problemas social.

4- ESTIMULANDO A CRIATIVIDADE

Um dos objetivos da Cultura Maker é ir além do aprendizado, mas como também um grande estimulante do pensamento crítico, criatividade e explorar os talentos dos alunos. Para isso, é necessário desenvolver a habilidade dos alunos, propor diversas oficinas e projetos que tragam interesse entre todos.

Para aprofundar na forma de estimular a criatividade dos alunos, é preciso apresentar diferentes opções de makers, como educação artística, jogos, trazer experiências musicais, estimulando também todas as tentativas que levarão tanto aos acertos quanto aos erros.

“O medo de errar é uma das primeiras barreiras que impede a criatividade. Especialistas defendem que para uma pessoa ser criativa, ela precisa lidar com os erros e aprender a se relacionar com o outro, já que as novas ideias exigem tentativas e reparos”, segundo o guia de 5 formas de estimular a criatividade entre os alunos da sua escola.

5- PROCURANDO AJUDA ESPECIALIZADA

O movimento ‘Nave à Vela’ é pioneiro na Cultura Maker, oferecendo assessoria para as escolas que desejam implantar a modalidade. Eles possuem uma lista de 4 passos iniciais para colocar a mão na massa.

Imersão presencial

O primeiro passo utilizado por eles, é a Imersão Presencial, o primeiro contato da escola com o movimento.

“Nesse momento, realizamos uma imersão presencial com a equipe envolvida no projeto sobre a metodologia do Nave à Vela, alinhamento pedagógico e cronograma de implementação do Espaço Maker, sempre respeitando e preservando as particularidades de cada escola”.

Criando um espaço Maker

Na segunda etapa, é feita a assessoria de como criar este espaço para trabalhar a Educação Maker, onde acontecem as aulas do Currículo de Cultura de Inovação (CCI).

Facilitador

Eles oferecem toda orientação necessária para que o método seja aplicado, dando suporte na seleção e contratação do facilitador que auxiliará nas atividades relacionadas ao Currículo de Cultura de Inovação (CCI), dentro e fora do Espaço Maker.

Acompanhamento

Por fim, além de todo o suporte inicial, a equipe fica à disposição para continuar assessorando as escolas e realizar visitas presenciais para avaliação do projeto e das atividades.

Sem comentários

Postar um comentário