Gamification, microlearning ou mobile learning: qual é a melhor tendência para o treinamento da sua equipe

Gamification, microlearning ou mobile learning: qual é a melhor tendência para o treinamento da sua equipe?

Como aumentar o engajamento dos colaboradores com treinamento online é um tema comum entre gestores de T&D. Tanto em eventos, em posts de Facebook e em conversas com clientes, o assunto de como utilizar ferramentas para aumentar o interesse do aluno nos cursos corporativos é constante. Existem até pesquisas sobre as expectativas para a área de T&D visando a entender melhor o que os líderes buscam.

E então surgiram as tendências com a tecnologia. O mobile learning permite que o colaborador estude onde bem entender. O gamification vem com um viés de motivação, instigando o colaborador a ganhar pontos e competir com seus pares. Por fim, o microlearning afirma que o tempo é curto e que conteúdos pequenos e encadeados aderem melhor ao ritmo frenético do nosso dia a dia.

Mas entre todas essas tendências, qual será a melhor para a sua realidade de treinamento corporativo? Qual delas vai aumentar o engajamento do seu público? Será que o ideal é utilizar todas elas? Mas e qual o investimento necessário para construir cursos assim? É o que espero elucidar neste artigo.

Objetivos, propósito e resultado

A primeira pergunta que eu te faço é: como surgiu a demanda de treinamento? Foi uma área que solicitou? É uma necessidade para complementar uma competência essencial para a empresa, vinculada ao planejamento estratégico?

Como todo treinamento tem um objetivo, e ele deve estar coerente com a realidade da empresa, podemos organizá-los dois grupos:

  • Relacionado à estratégia:
    • Essencial para a estratégia (muito estratégico)
    • Demanda da operação (pouco estratégico)
  • Relacionado ao conteúdo:
    • Formação do profissional
    • Informação sobre atividades (produtos, processos)

tabela

Todos esses treinamentos são necessários para a empresa andar bem. Por exemplo: informação sobre aspectos técnicos e de vendas dos produtos para a operação é vital para que o negócio ande. Porém, talvez ela seja menos estratégica do que adquirir uma nova competência (formação) para o seu time P&D. Se isso for verdade, a maior parte do seu investimento deve ir para a segunda opção, resolvendo a primeira de forma mais simples e rápida.

Lembre-se de que seus recursos são finitos (tempo e dinheiro), e você deverá priorizar o uso do seu orçamento. Então vem minha segunda pergunta: qual é o objetivo do seu treinamento? Qual é o impacto que se espera dele?

Aqui é vital ser pragmático. Pois não será a ferramenta que você utilizou para alcançar seu objetivo que será considerada, mas sim se ele foi alcançado ou não.

Mas… e as tendências?

E voltando ao início do artigo, te lembro das tendências. Gamification, microlearning e mobile learning são ferramentas, assim como PDF, e-mail, WhatsApp, rapid learning, cursos em vídeo, cursos interativos. E ferramentas por si só não aumentam o engajamento. O que aumenta engajamento é propósito e objetivo.

Pense em algo mundano como lavar a louça. Eu não gosto de lavar louça. E não conheço nenhuma pessoa que se motivou a lavar a louça porque tinha ferramentas legais como água quente, luvas de borracha, uma esponja em formato de urso, ou detergente com cheiro de tuti-fruti. Porém, já vi muitos se engajarem em lavar a louça por um propósito,  como receber uma visita importante, cozinhar para amigos, receber a namorada.

Então, na sua próxima demanda de treinamento, pense primeiro no quão estratégico será para a empresa. Para balizar o quanto você pode investir, recomendo essa planilha gratuita que facilita o planejamento de investimentos em treinamento.

E para fechar, determine o objetivo e o propósito deste treinamento, principalmente para a vida pessoal do colaborador (seja carreira, resultados, status, liberdade). O propósito é o alicerce onde você pode tomar as demais decisões, como os resultados esperados e o formato do material online (gamification, mobile learning, microlearning entre outros).

Se o seu público enxergar valor pessoal no que deve ser aprendido, aí sim a ferramenta que você utilizar vai ter um impacto exponencial no engajamento do aluno. Porém, com o alicerce errado, não importa a mídia que você utilizar – não haverá engajamento dos seus colaboradores.

Sucesso!

João Romão - MOBILIZA

João Romão - MOBILIZA

Defensor da quebra de paradigmas da educação de adultos e das construções sociais, para desenvolvimento pessoal e único. Além disso, faz uma ótima panqueca com Nutella, gosta de uma planilha e é CEO da Mobiliza.

Mais posts - Website

Sem comentários

Postar um comentário