Novo modelo de negócio para instituições de ensino tem como matéria prima tecnologia e inovação

O conceito de inovação na educação refere-se à adaptação dos processos de aprendizagem de acordo com a evolução humana. É a busca por novas práticas, metodologias, atitudes e valores para viver em um mundo de constantes transformações. O novo modelo de negócio para instituições de ensino revoluciona a educação, tanto na gestão quanto no processo de aprendizagem.

Antes de falar sobre o novo cenário da educação, vamos dar uma volta no mundo da música. Você se lembra que alguns anos atrás, precisávamos comprar um disco ou CD inteiro, com 12 faixas, só para ouvir a nossa canção favorita? Perceba que atualmente isso mudou. É possível comprar, online, apenas a música que mais nos agrada e fazer uma playlist personalizada, de acordo com o gosto individual.

Assim como nos discos antigos, as instituições de ensino ainda seguem esse modelo tradicional: independentemente do interesse ou facilidade do aluno para determinados temas, ele deve fazer todas as disciplinas curriculares para poder se formar.

 

Novo modelo de negócio para instituições de ensino: como são as escolas do futuro

Um novo sistema de ensino, semelhante ao modelo das startups*, propõe que os próprios jovens decidam quais são suas áreas de interesse e desenvolvam projetos, sem turmas ou disciplinas específicas, e têm o professor como um facilitador do conhecimento. Veja alguns exemplos:

Na escola australiana Wooranna Park Primary School o aprendizado é autônomo. Os alunos montam o próprio currículo de acordo com seus interesses. O espaço físico é considerado parte importante do processo pedagógico. Com móveis coloridos e equipamentos modernos, aprender é tão divertido quanto ir a um parque de diversões.

A rede pública de ensino Steve Jobs School, na Holanda, também tem uma proposta fora do convencional: sem aulas, nem horários, os alunos aprendem o tempo todo em espaços abertos. Já nos anos iniciais do ensino fundamental os professores estimulam o desenvolvimento de habilidades pessoais, talentos e paixões. Por lá, o iPad é a principal ferramenta de aprendizado.

No Brasil também temos bons exemplos de inovação no modelo de negócio para instituições de ensino, como o Projeto Âncora, fundado em 1995, no município de Cotia-SP. A escola trabalha a autonomia dos alunos para que aprendam de acordo com seus próprios interesses. Não há divisão por séries ou provas. O aprendizado pode acontecer em qualquer espaço, na sala de aula ou ao ar livre.

 

Novo modelo de negócio para instituições de ensino: por onde começar

Mas, para inovar, não necessariamente será preciso reconstruir a escola do zero. Um exemplo muito simples, gratuito e fácil para começar e mudar nos processos internos é a utilização do programa Google Sala de Aula. Um pacote de ferramentas de produtividade que inclui e-mail, documentos e armazenamento. O serviço foi desenvolvido para ajudar os professores a poupar tempo, manter as turmas organizadas, melhorar a comunicação com os alunos e ainda é sustentável, já que evita o excesso de impressões.

As escolas do futuro terão a tecnologia integrada à rotina de ensino. É preciso dar o primeiro passo hoje, fazendo uma avaliação do modelo de negócio atual para buscar novas soluções. A implementação deste novo formato permeia diversas áreas, como a construção de um plano pedagógico diferenciado, o investimento em infraestrutura tecnológica e a gestão destes processos.

Para auxiliar gestores nessa transição existem programas de capacitação com cursos, palestras e mentorias, ministrados por especialistas em inovação e tecnologia. Entre as áreas trabalhadas, estão: planejamento institucional, novo modelo pedagógico, implantação de Tecnologia da Informação, Marketing e gestão de Recursos Humanos. Também já existem empresas antenadas que oferecem soluções para escolas que visam a implantação de um modelo inovador de educação.

 

O gestor escolar está diante de um dos maiores desafios da história da educação. A tecnologia já faz parte da realidade de nossa sociedade. Se o ambiente escolar é o lugar de formação de indivíduos, torna-se imprescindível a adoção de novos modelos de negócio que acompanhem a evolução. Esse movimento promove o crescimento e a integração de todas as pessoas envolvidas na construção de um futuro melhor. E o resultado será da escola para o mundo: uma geração criativa, sustentável e colaborativa.

 

* Startup é um modelo de negócio projetado para crescer e ser uma grande empresa ou se tornar uma rede. Uma ideia inovadora que parte de uma oportunidade identificada, como a solução para um problema.

2 Comentários
  • Patrícia de Sá Freire
    Postado às 02:00h, 27 dezembro Responder

    Perdão, mas a inovação na educação é bem mais complexa do que a inclusão de tecnologias de armazenamento e compartilhamento parabapoio a sala de aula (seja está fechada ou aberta). As dimensões que estão sendo discutidas para a inovação do modelo de negócio passa por temas como educação integral; autonomia assistida; tecnologia inclusiva, integrativa e interativa; heutagogia; sala de aula invertida; cocriação; metodologias ativas; transferência da aprendizagem; ….

  • Vertical Educação | Escassez de professores promete problema grave no cenário educacional brasileiro
    Postado às 14:02h, 14 fevereiro Responder

    […] Novo modelo de negócio para instituições de ensino tem como matéria prima tecnologia e inovaçã… […]

Postar um comentário